Bela Gil – Vida Mais Bela na Morada da Floresta

Dia 29/08/2017 (terça-feira) tem Morada da Floresta no programa Vida + Bela na GNT.

Em maio desse ano recebemos a deliciosa e honrada visita da Bela Gil pela segunda vez na Morada da Floresta. Ficamos muito felizes com esta oportunidade, que com certeza é um merecimento depois de muitos anos de dedicação, plantios e trabalho sincero para despertar e facilitar a consciência ecológica e o cuidado com a natureza.

Biocosméticos: Maquiagens Naturais e Orgânicas

Biocosméticos e maquiagens orgânicas com ingredientes naturais e biodegradáveis que atuam como alimento nutritivo para a pele, preservando a saúde pessoal, o respeito com animais e com o planeta.

 

20150721_biocosmeticos

 

O Parto no Brasil Hoje

O Parto no Brasil hoje

O mais recente relatório global do UNICEF (Situação Mundial da Infância 2011) mostrou que a taxa de cesárea no Brasil é a maior do mundo, de 44% (de 2005 a 2009), enquanto a Organização Mundial da Saúde recomende que apenas 15% dos partos sejam operatórios.

Em muitos hospitais, o parto se tornou uma extração vaginal ou abdominal dentro de uma linha de produção. A conseqüência é que muitas mulheres são colocadas totalmente à distância de sua própria capacidade inata de dar à luz, e as obstetrizes estão perdendo suas habilidades intuitivas a medida que passam a depender mais de tecnologias. A habilidade natural de dar à luz e da maternidade não são mais transmitidas de mulher para mulher.

Possíveis explicações para que as taxas tão altas de cesarianas no Brasil estão diretamente ligadas a fatores sócio-culturais, dentre elas: as conveniências de tempo e financeiras para o profissional médico; o modelo de organização da assistência obstétrica no país; a falta de leitos nos pré-partos dos hospitais; a cultura da “cesariana a pedido da mãe”; a possibilidade de realização concomitante de ligadura de trompas durante a cirurgia; e a carência de preparo adequado da classe médica atual para o atendimento ao parto natural e humanizado, que ocorre em parte porque a cesariana passou a ser aceita culturalmente como um modo normal de dar à luz um bebê.

No Brasil chegamos do auge da medicalização do parto, e nem por isto nossas taxas de mortalidade e morbidade estão diminuindo. Na maioria das maternidade privadas, as taxas de cesárea chegam a 80, 90 ou até 100%.

Quando não é cesárea, é um parto normal repleto de intervenções. Quando uma mulher escolhe ter um bebê em determinada maternidade, está sujeita às regras daquele estabelecimento. O que se nota nas últimas décadas é que as maternidades privadas estão ficando cada vez mais parecida com hotéis. Existe serviço de quarto, restaurante 24 horas, horário livre para visitas, lojinhas de conveniência, TV, frigobar, recepcionistas elegantes, berçarios bem decorados, sala de espera acarpetada com sofás de couro. São grandes empresas cada uma procurando seu lugar ao sol nesse mercado que é o nascimento de bebês. O Grande drama no entanto, é que nestas mesmas maternidades  os indíces de cesárea giram em torno de 75 % à 90 %. O que seria um lugar para as mulheres darem à luz a seus bebês, virou um grande centro de cirurgias obstétricas. O evento natural foi transformado em um evento cirúrgico.

Embora este seja o padrão brasileiro de atendimento, ele vai quase totalmente contra  as regulamentações da OMS. Alguns exemplos: tricotomia, soro, episiotomia de rotina, separação da mãe de bebê, aspiração de rotina.

No mundo inteiro, mais e mais mulheres têm procurado formas alternativas para dar à luz. No serviço particular no Brasil cerca de 80% dos partos são cesáreas, dos 20% normais, quase todos são feitos com a mulher deitada, com as pernas em estribos, anestesiada, dentro de centros cirúrgicos.

Apenas uma fração pequena dos partos acontece de forma mais natural ou fisiológica. As razões para esse descompasso em relação ao resto do mundo misturam cultura médica, interesses financeiros, desconhecimento da classe médica e da população, falta de ambientes adequados, entre outros fatores.

O que o Parto Natural é, e seus benefícios 

O parto é um evento social, familiar, emocional, psicológico e espiritual. O parto é tudo menos um evento médico. O momento correto para o bebê nascer é quando o corpo da mãe está preparado, quando o pulmão do bebê está maduro em toda a sua condição fisiológica. É o momento em que a natureza determina a hora de nascer.

A Humanização do Parto 

Humanizar o parto é dar à mulher o que lhes é de direito: um atendimento focado nas suas necessidades, e não em crenças e mitos. Parto Humanizado não é uma “técnica de parto”, é simplesmente focar o atendimento na mulher. Oferecer o que à família desejar e basear as condutas nas evidências científicas e nas suas recomendações da Organização Mundial da Saúde.

Entre as vantagens do parto natural, estão: 

– A maioria das mulheres pode ter, sem contraindicações.

– Permite à natureza seguir seu rumo, deixando o bebê nascer no tempo certo.

– Recuperação é rápida, o que favorece a lactação.

– Fortalecimento emocional da mãe e do bebê, pois ambos superam o maior e o primeiro desafio que é o nascer.

– Poupa o bebê de receber as químicas da analgesia.

 

Alternativas Ecológicas para a Mulher (Portal Namu)

Absorventes, este é um assunto que provavelmente você nunca pensou que iria discutir com suas amigas, mas os tempos mudaram.
Vivemos em uma era moderna e que a maioria de nós usamos diferentes tipos de absorventes carregados com produtos químicos e poluentes.
Absorventes reutilizáveis sempre existiram, mas, assim como as fraldas de pano, eles retornaram com seu desing moderno e bonito. Eles são livre de produtos químicos, ecológicos e econômicos.
Muitas mulheres que no início estavam céticas provaram e os votos foram unânimes: os absorventes reutilizáveis são confortáveis, fácil de limpar, frescos e respiráveis !

E você já provou?

Confira este vídeo realizado pelo Portal Namu com Ana Paula Silva da Morada da Floresta e saiba mais sobre o assunto:


 

Ecologia Feminina – A relação da mulher com a Terra

Ecologia Feminina – A relação da mulher com a Terra

Por Ana Paula Silva

A Ecologia Feminina é uma prática que a mulher tende a procurar quando deseja se harmonizar com a natureza.
Gestos tão simples que encontramos em nossas avós e ancestrais significam muitas vezes para nós, mulheres modernas, uma revisão da própria vida, quando colocamos em cheque tabus e hábitos, para construir uma relação mais harmoniosa de cuidado com o próprio corpo e com o Planeta.
Nas  culturas indígenas e maias  a Terra é vista como a Grande Mãe que nos dá abrigo e nos alimenta, segundo essas culturas, a existência humana é essencialmente conectada ao Planeta. As qualidades femininas da natureza são expressas pela receptividade da Terra ao receber, acolher, nutrir e oferecer todos os recursos necessários para que a planta germine, cresça, floresça e produza novas sementes concebendo suas múltiplas expressões de vida.

Podemos observar práticas femininas ancestrais e ecológicas, como a devolução do ciclo menstrual para nutrir a Terra, que foram modificadas pela cultura e de maneira efetiva desconectaram a mulher do cuidado consigo mesma e com o Planeta.

Segundo o site Museu da Menstruação (http://www.mum.org/), no ano de 1888 os absorventes femininos começaram a ser vendidos, eram aqueles em formato de almofada, adaptações dos que as enfermeiras norte-americanas preparavam para elas próprias usarem, feitos de gaze e outros materiais hospitalares a que tinham vasto acesso. Desde então o absorvente feminino descartável passou a ser comercializado com forte apelo publicitário à sua praticidade, marcando início à era dos descartáveis. As primeiras propagandas veiculadas para o produto, em 1921, pela Kotex, destacavam que os absorventes descartáveis eram muito mais limpos e assépticos, confortáveis.  Mas atualmente na contramão de todas as campanhas, vêm crescendo o movimento que quer abolir os absorventes descartáveis volta absorventes de tecido, por serem uma  solução mais natural para a pele sensível da vulva, além de muito mais econômicos e praticamente não-agressivos ao meio ambiente.

A Ecologia Feminina é um termo muito abrangente e profundo, e pelo viés da sustentabilidade, podemos identificar pelo menos cinco temas de grande impacto e muito palpáveis a todos nós: Consumo Consciente; Lixo: Absorventes Femininos e Fraldas Descartáveis; Humanização do Parto; Aleitamento Materno e Educação Ativa.

Consumo Consciente

Quando optamos por financiar pessoas e empresas que estão fazendo a sua parte, também fortalecemos esse trabalho. Nossas decisões de consumo são como os votos em uma eleição: o maior número decide quem ganha. Por isso, quanto mais optamos por produtos e empresas realmente preocupadas em fazer do mundo um lugar melhor, mais fortalecemos esse movimento e mais rápido veremos as mudanças necessárias.
Praticar o consumo consciente significa buscar o equilíbrio entre a sua satisfação pessoal e a sustentabilidade socioambiental, maximizando as conseqüências positivas deste ato não só para si mesmo, mas também para as relações com a sociedade, economia e natureza. Este também busca disseminar o conceito e a prática do consumo responsável, fazendo com que pequenos gestos realizados por muitas pessoas promovam grandes transformações.

Sugestões de práticas visando o consumo consciente:

 – Comprar roupas, alimentos e outras mercadorias na medida certa para o consumo individual ou da família, visando evitar ao máximo o desperdício;
– Gastar água e energia somente o necessário, evitando ao máximo o desperdício;
– Reutilizar produtos e bens naturais sempre que possível;
– Promover a separação e reciclagem do lixo;
– Usar sistemas que evitem o desperdício de água e energia nas residências;
– Valorizar e adquirir produtos de empresas que demonstram preocupações sociais e ambientais;
– Utilizar sacolas retornáveis para transportar os produtos adquiridos em supermercados;
– Valorizar o consumo de produtos orgânicos que, além de serem benéficos à saúde, a produção envolve práticas de respeito ao meio ambiente.

Lixo: Absorventes Femininos
Uma mulher que utiliza absorventes descartáveis para conter seu fluxo menstrual produz, desde a sua puberdade até a menopausa, aproximadamente 10 a 15 mil absorventes descartáveis de lixo, resíduo excessivo e de grande impacto ecológico para o Planeta.

Absorventes e tampões descartáveis são feitos de papel alvejado, plástico e contêm ingredientes químicos inconvenientes à saúde da mulher, como metais, surfactantes, desinfetantes, fragrância, bactericida, fungicida, gel absorvente, colas, traços de organocloretos  (pesticidas), entre outras coisas. A legislação brasileira não regula os componentes dos produtos menstruais e as indústrias não precisam listá-los nas embalagens.

Componentes como organocloretos e dioxina, subprodutos do processo de branqueamento, têm sido associados a problemas de saúde em humanos e animais, contribuindo para o câncer de mama, deficiências do sistema imunológico, endometriose, defeitos no feto e câncer de colo de útero (cérvix).

Alternativas ecológicas disponíveis:

Além de serem práticas, econômicas e ecológicas, visto que custam menos ao bolso e reduzem consideravelmente a produção de lixo no Planeta, o uso das alternativas abaixo incentiva a valorização e aceitação do processo natural do corpo. Em ambos os casos o sangue pode ser devolvido para a natureza como adubo e alimento para as plantas, pois contém uma gama de nutrientes e energia vital que fertilizam a Terra.
Absorventes femininos de pano são laváveis, confeccionados em tecido de algodão, permitem ao corpo respirar livre de produtos químicos e plástico e não contêm químicas.

Copo coletor de silicone: além de ter a praticidade de ser interno, é reutilizável e lavável, e pode ser fervido para esterilização ao final do ciclo, ou colocado em água oxigenada por algumas horas antes de ser guardado para o mês seguinte. Normalmente possui durabilidade média de 10 anos.

Prêmio Cidadão Sustentável (2012-07)

 

O Prêmio Cidadão Sustentável surge com a proposta reconhecer e valorizar as pessoas que realmente estão ajudando a transformar São Paulo em uma cidade mais justa, democrática, saudável e solidária.

Resultado de uma parceria entre o Catraca Livre e a Rede Nossa São Paulo, o Prêmio está sendo lançado neste ano de 2012, às vésperas das eleições municipais, como uma oportunidade para discutir propostas e pensar no futuro da nossa cidade. Em agosto, o Catraca Livre divulgará os três finalistas de cada categoria.

A Morada da Floresta, aqui representada por Ana Paula Silva foi elegida para concorrer ao prêmio Meio Ambiente. Participe! Seu voto é muito importante!

VOTE AQUI: http://catracalivre.folha.uol.com.br/2012/07/premio-cidadao-sustentavel-meio-ambiente/

Nascimento de Micah (vídeo)

Atendendo à pedidos, disponibilizamos o vídeo completo do nascimento de Micah, no dia 27 de março de 2010, em Goa, Índia.

Oferecemos este vídeo com carinho, para que ele sirva de inspiração para o resgate da potencialidade feminina que é o Parto Natural.

O vídeo Nascimento de Micah, filho de Ana Paula Silva e Cláudio Spinola, no Birthing Center Goa (Casa de Partos de Goa India), além de lindas imagens, promove reflexões profundas e relevantes sobre a maneira como nascemos, como a companhia do Pai e de pessoas desejadas no ambiente de parto, a consagração do nascimento como um momento espiritual e sagrado, a não intervenção profissional e o respeito pelo tempo do bebê e da mãe.

Este vídeo é recomendado para às famílias que desejam obter informações e inspirações, para o uso de doulas que trabalham apoiando o Parto Natural, assim como para grupos de apoio à gestação.

 

Vídeo: História e a verdade do uso dos Absorventes Descartáveis

 

Planeta Sustentável – Parto Natural e Ecológico (2008-10)

parto natural

http://planetasustentavel.abril.ig.com.br/blog/gaiatos/117399_post.shtml

Linha Ecologia Feminina

Se você busca alternativas naturais e ecológicas para cuidar com carinho de seu corpo e da natureza a Morada da Floresta oferece maravilhosas soluções como o Ecoabsorvente, o Bioabsorvente Feminino, o Mooncup e Absorventes para Seios, produtos são livres de químicas, agrotóxico e plástico.

Favorecem maior contato com o próprio corpo e com os ciclos, nos incentiva a valorizar e aceitar o processo natural e a adotar práticas mais ecológicas.

Ecoabsorventes e Bioabsorventes são inovadores, laváveis e confortáveis. Por serem confeccionados em tecido de algodão que permite ao corpo respirar livre de produtos químicos e plástico, mantêm a saúde e o frescor do corpo da mulher.

Ecoabsorventes

20080805_linha_ecologica_01

 Características:

– Modelagem arredondada.

– Camada interna de algodão e camada externa de microsoft que garante uma suave impermeabilização respirável.

– Peça única e pronta para usar, contém camadas absorventes fixas internamente.

– Disponível nos tamanhos Pequeno, Médio e Grande.

 

 

Bioabsorventes

20080805_linha_ecologica_02Características:

– Modelagem quadrada.

– Camada interna e externa 100% Algodão.

– Toalha interna absorvente removível.

 

 

 

Clique aqui para consultar o preço e efetuar a compra

 

20110616_banner_loja_virtual

Dúvidas frequentes: como usar e como lavar – clique aqui