O Fim do Lixo Urbano – Blog Pensando ao Contrário

Você conhece o blog Pensando ao Contrário?

Clique na imagem abaixo, conheça o blog e veja o artigo sobre resíduos, compostagem e sobre o projeto Composta São Paulo.

20140704_o_fim_do_lixo_urbano

 

Revista Ticket e Negócios

 

Inimigo Invisível

O lixo é um dos maiores problemas do mundo moderno – e somos nós que produzimos. Por que, então, não temos consciência disso? TAB é um conteúdo produzido semanalmente pela equipe do UOL e nesta excelente matéria sobre o lixo cita o projeto Composta São Paulo.

Inimigo Invisível

Aulas NAMU: Materia Vegetal Seca na Compostagem

Importância da Materia Vegetal Seca na Compostagem from Morada da Floresta on Vimeo.

 

Vídeo explicativo sobre a importância da Matéria Vegetal Seca no funcionamento da Composteira Doméstica com Minhocas com Cláudio Spínola, diretor da Morada da Floresta.

Agradecemos ao Portal Namu (http://namu.com.br/aulas/aula-de-compostagem) pela realização desse vídeo e pelo belo trabalho realizado para disseminar boas iniciativas.

 

Aulas NAMU: como fazer compostagem em casa

Aula de compostagem para fazer em casa com restos de alimentos com Cláudio Spínola, diretor da Morada da Floresta.

Agradecemos ao Portal Namu pela realização desse vídeo e pelo belo trabalho realizado para disseminar boas iniciativas.

Como fazer compostagem em casa from Morada da Floresta on Vimeo.

 

Revista São Paulo – Minhocas na Caixola

Site Rede Globo – Compostagem transforma restos de comida em adubo, até dentro de casa (2012-08)

Política Nacional de Resíduos Sólidos propõe alternativas que, uma vez adotadas, impediriam o ciclo destrutivo que o lixo promove na natureza

Fonte: Site Rede Globo / Globo Educação
http://redeglobo.globo.com/globoeducacao/noticia/2012/08/compostagem-transforma-restos-de-comida-em-adubo-ate-dentro-de-casa.html

Carne, legumes, frutas, e óleos parecem inofensivos durante a preparação da refeição. Mas, se os restos desses alimentos, incluindo as cascas (até as de ovos) não tiverem tratamento, as conseqüências podem ser desastrosas para o meio ambiente. Essa matéria orgânica representa a maior parte dos resíduos sólidos enviados à coleta regular. Só que, hoje em dia, a Política Nacional de Resíduos Sólidos propõe alternativas que, uma vez adotadas, impediriam o ciclo destrutivo que o lixo promove na natureza. Uma delas é a compostagem, que tem sido adotada dentro de casa por aqueles que estão ligados à ecologia.

Sistema de compostagem  (Foto: Divulgação)
“A compostagem é a degradação dos resíduos orgânicos, é a transformação deles em adubo. É como se fosse a reciclagem da matéria orgânica. Há várias formas de se fazer isso, por exemplo, com galhos de árvores cortados em parques e clubes. Eu trabalho com resíduos de cozinha, como frutas, cascas, farinha e pão transformando esses restos em húmus através da compostagem doméstica ou da compostagem industrial, no caso de cozinhas industriais. A compostagem devolve ao solo os seus nutrientes”, conta Cláudio Vinícius Spínola de Andrade, diretor executivo da ONG, OSCIP e empresa Morada da Floresta.

Presente no segundo capítulo da lei nº 12.305, que discrimina as definições da Política Nacional de Resíduos Sólidos, e no terceiro capítulo, sobre as responsabilidades dos geradores e do poder público, a compostagem hoje é obrigação de todos. “Implantar sistema de compostagem para resíduos sólidos orgânicos e articular com os agentes econômicos e sociais formas de utilização do composto produzido”, diz o capítulo V do artigo 36, que fala sobre responsabilidades. De acordo com Cláudio, a ação é muito pouco praticada no Brasil.

“No meio rural é natural, porque há um ciclo. A fruta cai do pé, a galinha come e depois suas fezes viram adubo. Os resíduos têm um ciclo ecológico. Na cidade, temos que fazer nós mesmos, dentro de apartamentos, em quintais etc”, diz Cláudio, que começou a desenvolver projetos nessa área em 1999. “Comecei a desenvolver permacultura nessa casa onde está hoje a Morada da Floresta, na época em que vim estudar artes plásticas em São Paulo, e comecei a fazer as primeiras experiências com compostagem. Tinha anseio de transformação social, queria gerar mais impacto.”

Sistema de armazenamento para compostagem (Foto: Divulgação)

O primeiro aparelho de Cláudio foi feito com tonéis de ferro de lixo de 200 litros. Ele furava o fundo para drenar o líquido, colocava resíduos e separava com uma tela dos resíduos que jogava por cima. A cobertura era de folhas. O processo era totalmente artesanal. Depois que teve acesso às minhocas californianas, mudou o esquema. Hoje, ele encaixa três caixas modulares de plástico umas nas outras e, no fundo delas, terra, minhocas e os alimentos. As duas de cima (caixas digestoras) digerem os resíduos orgânicos e a de baixo (caixa coletora) recolhe o chorume que escorre e joga fora por uma torneira.

“É um sistema prático, compacto, higiênico e de fácil manuseio, que não produz cheiro nem atrai insetos. A minhoca californiana acelera a compostagem, pois come restos de alimentos e seu esterco vira húmus”, diz Cláudio.

Todo mundo tem como colaborar, mesmo que seja montando seu próprio sistema caseiro. O que falta é vontade e, claro, conscientização.

Fonte: Site Rede Globo / Globo Educação
http://redeglobo.globo.com/globoeducacao/noticia/2012/08/compostagem-transforma-restos-de-comida-em-adubo-ate-dentro-de-casa.html

Como usar a Composteira Doméstica

*Imagens extraídas da matéria “Como fazer uma composteira doméstica para reciclar o próprio lixo” realizada pelo o site Consumo com Atitude

Compostagem Doméstica por Julia Aguiar

Folhinha – Folha de São Paulo

25/02/2012 – 03h30

Saiba mais sobre as minhocas e aprenda a fazer um minhocário

Gabo Morales/Folhapress
O garoto Micah Spínola, 1, brinca com terra em minhocário
O garoto Micah Spínola, 1, brinca com terra em minhocário

O trabalho das minhocas lembra o famoso ditado do químico Antoine Lavoisier (1743-1794): “Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.

Esses bichos podem comer o nosso lixo orgânico (restos de comida) e liberar um cocô que funciona como adubo (substância que dá força para as plantas).

Então, por que não levá-los para dentro de casa e reduzir o volume do saco que deixamos na rua para o lixeiro levar?

Até mesmo quem mora em apartamento pode ter um minhocário doméstico. Trata-se de um sistema de caixas de plástico empilhadas onde minhocas são criadas. Elas se alimentam com restos de verduras, folhas, frutas etc. e, a partir daí, produzem adubo.

Algumas empresas vendem kits de minhocultura e dão cursos de como utilizá-los, mas é possível fazer um minhocário em casa (veja passo a passo ao lado).

“Nas grandes cidades, é uma maneira de reduzir os danos do lixo à natureza”, diz Cláudio Spínola, 35, diretor-executivo da Morada da Floresta, que vende minhocas e minhocários.

Para Cesar Danna, 38, diretor-administrativo da empresa Minhocasa, os minhocários domésticos são uma ferramenta para a educação ambiental. “A criança consegue ver o ciclo completo, desde que o lixo é gerado, o jeito errado de jogá-lo fora e o resultado da transformação em adubo.”

Outro “maluco” por minhoca é o zootecnista Afrânio Augusto Guimarães, criador da empresa Minhobox e do Portal da Minhoca, que reúne informações sobre minhocas e vende as vermelhas-da-califórnia –espécie mais adequada a minhocários domésticos.

Segundo Raquel Ribeiro, autora de “A Fuga das Minhocas”, o minhocário precisa de pouco espaço em casa, mas de muita boa vontade. “Nossa cultura diz que temos de nos livrar rapidamente do lixo, como se evaporasse nos lixões, e trata como nojento o resíduo orgânico [restos de comida]. Curioso, não? É a mesma comida que foi para a nossa barriga”, fala.

MINHOCAS EM CASA

Criança pode montar um minhocário, com a ajuda de um adulto. Veja passo a passo.

Fotos Gabo Morales/Folhapress

20120227_folhinha-_folha_de_sao-_paulo_01

Passo 1

1 – Para fazer um kit de minhocultura, separe três caixas modulares (que se encaixam umas nas outras). Com uma furadeira, um adulto faz vários buracos no fundo de duas delas.

2 – As bordas da tampa também devem ser furadas, com uma broca fina, para possibilitar a passagem de ar.

Passo 3

Passo 3

3 – Na caixa que fica embaixo das outras, deve ser feito um furo maior em um dos lados. Encaixe uma pequena torneira (como as usadas em filtros de água).

4 – Depois de empilhar as caixas, coloque a terra com as minhocas na de cima, até chegar à altura de mais ou menos dois dedos. Faça o mesmo com a caixa do meio.

5 – Despeje os resíduos orgânicos (folhas, restos de frutas, guardanapo de papel usados) na caixa de cima. Cubra o lixo orgânico com a mesma quantidade de serragem, folhas secas ou papel de jornal picado.

Passo 5

Passo 5

6 – Quando a caixa de cima ficar cheia, troque-a de lugar com a do meio. Quando os restos de comida voltarem a ser colocados na de cima, as minhocas, que estão na do meio, vão subir pelos furinhos para voltar ao trabalho.

Ilustração Orlando Pedroso/Folhapress
Compostagem
Veja como é um minhocário por dentro

Quando a de cima estiver cheia de novo, a do meio terá adubo; ponha no jardim e comece tudo de novo. A caixa de baixo acumulará um líquido que deve ser retirado pela torneira e usado para regar plantas.

 

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/folhinha/1052606-saiba-mais-sobre-as-minhocas-e-aprenda-a-fazer-um-minhocario.shtml